29 de nov de 2007

1ª Viagem do EnoEventos
Vindima na Serra Gaúcha

Há alguns dias, comentei com Homero Sodré que, depois de haver trabalhado servindo vinho no evento do Mike, gostaria de colher uvas na Serra Gaúcha. Ele aproveitou o gancho e me propôs organizarmos uma viagem àquela região durante a vindima e eu concordei na hora. Será a 1ª Viagem do EnoEventos!

Hoje, ele me mandou o roteiro e eu achei maravilhoso! A viagem será de 15 a 17 de fevereiro de 2008!

Mas antes de vocês lerem o programa oficial, tem alguns pontos que eu gostaria de destacar, que tornarão essa viagem uma experiência inesquecível:

  • vamos ficar hospedados na Pousada da Casa Valduga, que fica em meio aos vinhedos da Vinícola;
  • vamos colher uvas!!! Essa é uma experiência que todo o enófilo deveria ter, pelo menos uma vez na vida. Acho que com isso, passaremos a apreciar os vinhos com outros olhos;
  • e mais, vamos fazer a pisa!!! Só essa, eu acho, já vale a viagem. E poderemos contar, depois, que somos em parte responsáveis pela qualidade daquele vinho...
  • vamos acompanhar todo o processo de vinificação da Casa Valduga
  • teremos um almoço e um jantar na Casa Valduga, um jantar na Miolo e um almoço na Cordelier
  • e ainda teremos um almoço no tradicional restaurante Canta Maria, em Bento Gonçalves. Eu almocei nesse restaurante em dezembro passado, quando fui visitar o Vale dos Vinhedos. É muito típico e muito bom! (todos esses almoços e jantares já estão incluídos no preço da viagem)
  • para quem gosta de queijos, como eu, visitaremos a Queijaria Fetina de Formaio, na bonita cidade de Carlos Barbosa, onde poderemos degustar e comprar queijos coloniais
  • e, como não poderia deixar de ser, sendo essa uma viagem do EnoEventos, será tudo fotograficamente documentado e publicado em nossa página, para que possamos eternizar os bons momentos e compartilhá-los com os amigos.

    Os leitores do EnoEventos terão um preço especial, conforme descrito no roteiro. Portanto, quem se interessar em fazer parte do grupo, pode entrar em contato comigo, Oscar Daudt, (21)9636-8643 ou (21)2222-0661, para a gente combinar.


    Roteiro oficial da viagem


    VINDIMA 2008: Uma viagem ao mundo do vinho brasileiro, com visitas, degustações e participação na festa da colheita.

    Sexta-Feira – 15/02
    Apresentação no Aeroporto Internacional para embarque com destino à Porto Alegre. Chegada e saída em direção à Serra. Antes de chegar a Bento Gonçalves faremos uma parada na Queijaria Fetina de Formaio (oportunidade para compras e degustação de queijos, embutidos, doces, etc) e na Tramontina. Na entrada de Bento Gonçalves, parada para almoço (não inclui bebidas) na tradicional cantina Canta Maria. Em seguida continuação até o Vale dos Vinhedos, para acomodação em uma das fantásticas pousadas dentro da Casa Valduga (www.casavalduga.com.br), em suítes com vista para os vinhedos. Ao anoitecer, saída para visita, degustação e jantar na Vinícola Miolo (www.miolo.com.br).

    Sábado – 16/02
    Dia inteiro dedicado à colheita. Logo pela manhã será servida a colazione (típico café da manhã servido antes da colheita nos parreirais), receberemos ainda o material de trabalho (avental e chapéu). Após o café participaremos da colheita de algumas das uvas da safra 2008. Ainda nos parrerais teremos um show de coral típico italiano com sabrage e serviço de espumantes. O almoço (incluído) acontecerá na adega, em meio às pipas, com cardápio tradicional italiano harmonizado com vinhos locais. Após o almoço continuaremos a visitação, conhecendo a unidade de vinificação e a Capela das Neves (contando a história da imigração italiana). Ao final participação na pisagem das uvas (vinoterapia). Pela noite um jantar especial de encerramento do programa, também nas dependências da vinícola.

    Domingo – 17/02
    Café da manhã no hotel. Check-out e saída para visita, degustação e almoço na Cordelier (www.cordelier.com.br). Em seguida transporte ao Aeroporto de Porto Alegre e embarque para o Rio de Janeiro.

    Vôos Previstos:
  • 15/02/2008 - Rio de Janeiro - Porto Alegre - WJ 6700 - 08:00-10:00
  • 17/02/2008 - Porto Alegre - Rio de Janeiro - WJ 6701 - 18:30-20:20

    Incluso no Pacote:
  • Passagem Aérea WEBJET nos vôos citados;
  • Acomodação (02 noites) com café da manhã e taxas;
  • Seguro Viagem básico;
  • Visitas, degustações, traslados (micro-ônibus luxo) e refeições citadas no programa.

    Preço por pessoa para os leitores do EnoEventos (incluindo passagem, hotel, transporte, todas as refeições discriminadas, a colheita, a pisa, etc...):
  • Em apartamento Duplo: R$ 1.545 (para EnoEventos) - R$ 1.855 (preço normal)
  • Em apartamento Individual: R$ 1.795 (para EnoEventos) - R$ 2.155 (preço normal)

    Observações:
  • Pagamento parcelado em até 3 vezes sem juros;
  • Taxa de embarque (R$ 39,24) não está incluída (será paga juntamente com o pacote);
  • Valores calculados com base na participação mínima de 15 passageiros.
  • 28 de nov de 2007

    Jornal Bon Vivant

    Recebi de presente de minha amiga Cláudia Holanda alguns exemplares do Jornal Bon Vivant. A qualidade do mesmo mexeu com meu coração de gaúcho e, portanto, compartilho com vocês um pouco dessa excelente publicação.

    Embora se auto-denomine de jornal, apenas o tamanho faz jus a essa classificação. A periodicidade mensal e a caprichada apresentação, totalmente a cores, são de uma revista.

    O Bon Vivant tem uma longa história! Começou a ser publicado em 1998, em Garibaldi-RS, editado pelo renomado enólogo Adolfo Lona. Em 2004, a propriedade do jornal foi transferida para a Editora Século Novo, de Flores da Cunha-RS, mas continuou com sua linha editorial de promoção do vinho nacional. Atualmente, o Bon Vivant encontra-se em sua edição 103, o que, em termos de publicações brasileiras, é uma marca e tanto!

    O jornal aborda temas como o vinho, a gastronomia e o turismo. É uma bíblia para os amantes do vinho nacional. Você fica por dentro dos novos lançamentos, das avaliações dos vinhos e, em concorrência com o EnoEventos, publica uma agenda e a cobertura dos acontecimentos festivos. Imperdível.

    Vejam só os objetivos dos editores:

    1. Estabelecer as relações entre vinho e cultura, filosofia, cidadania, desenvolvimento, turismo, tecnologia, bem estar e bem viver.

    2. Publicar matérias de interesse aos consumidores de vinhos, iniciados ou não, bem como de seu entorno, como a arte da boa mesa e a arte do charuto.


    3. Levar informações aos não consumidores, objetivando despertar nestes o interesse para este produto natural e alimentício que, há vários milênios, faz parte da mesa, como alimento e integrador de famílias e amizades.

    4. Disseminar a idéia de que o vinho deve e pode ser parte integrante da mesa do brasileiro, e que quando isto acontecer em maior número, a população brasileira será mais feliz e saudável.

    5. Divulgar o consumo responsável do vinho, mantendo presente que o álcool, principal conservante natural do vinho, pode ser benéfico à saúde quando consumido moderadamente e por quem não tem contra-indicação.


    A assinatura anual, para 12 edições, custa apenas 60 reais! E, atualmente, o Bon Vivant oferece uma promoção bem interessante: se você juntar 5 amigos para assinar, o grupo é presenteado com 3 vinhos nacionais de alta gama (dentre eles Concentus, Talento, Don Laurindo Gran Reserva, Cordilheira de Santana, etc...)

    27 de nov de 2007

    Curso de Risotto



    Nei Augusto Ribeiro foi um dos sorteados para o curso de risotto, promovido pela Região do Piemonte, no restaurante La Mole, da Barra da Tijuca. Eis aqui as impressões que ele nos enviou sobre o curso:

    Como um dos sorteados para o Curso de Risotto Piemontese segue meu breve relato.

    Em primeiro lugar, quero agradecer a oportunidade dada por este brilhante site ENOEVENTOS, que faz encurtar distâncias entre o mundo da enogastronomia e seus amantes, como eu.

    A tradução agradável do Sr. Stefano e a segurança e paciência do jovem e experiente Chef Massimiliano Bellavita que, com seu vasto conhecimento, fez o evento ficar mais "bello".

    As diversas técnicas apresentadas deram uma visão completamente nova de possibilidades para preparação de Risottos, dos mais variados possíveis, salgados, doces e agridoces.

    Destaque para utilização de vinho tinto "reduzido" para banhar o arroz, que é elaborado previamente com:

    - 1 litro de vinho Barolo
    - 40g de mel
    - 50g de açucar
    - 20g de lavanda
    - 20g de tomilho

    Colocar no fogo, mexendo sempre até que o volume seja reduzido em 90%. Utilizar este caldo concentrado no ato de "banhar" o arroz após refogá-lo. Lembrar que devido a concentração, deve se utilizar em pequena quantidade. Foi reforçado pelo Chef, o conceito de cozimento do arroz, sempre al dente, como parte principal da cultura italiana para este prato.

    Saúde e Vinho para todos !!!!

    Nei Augusto Ribeiro

    24 de nov de 2007

    Produtos para enófilos VIII


    Esse produto imperdível, sonho de qualquer enófilo, eu encontrei divulgado no Forum de Eno-gastronomia do Mike! É sensacional! Quem sabe, um dia a gente chega lá! Vejam só o vídeo de propaganda:

    19 de nov de 2007

    Lançamento Don Ziero Vintage Clássico 2002


    Recebi um comunicado da Vinícola Cordelier, de Bento Gonçalves, informando sobre o lançamento do Don Ziero Vintage Classico 2002. Um belo rótulo e uma bela garrafa!

    É um vinho de sobremesa, tinto, com 18% de álcool. Estagia em barricas de carvalho por longos 36 meses! E ainda descansa mais um tempo em garrafa. Vejam só que a safra é 2002! Lá se vão 5 anos!

    Segundo o release, o nariz apresenta notas de baunilha, geléia de amora, toques de ameixa seca e mel. E harmoniza com queijos, foie-gras, frutas secas, pistaches, amêndoas, castanhas, pinholes e sobremesas.

    É claro que a propaganda não fala, mas estou achando que é um tipo Vinho do Porto!

    16 de nov de 2007

    Casa de Santa Vitória Versátil


    O alentejano Versátil 2005, da Casa de Santa Vitória, foi avaliado com 87 pontos na última edição da Wine Spectator.

    A descrição que o vinho mereceu foi a seguinte: "Um vinho de estilo denso e maduro, apresentando notas de ameixas pretas, com café e especiarias. Taninos médios e notas tostadas fortalecem o fim-de-boca. Para beber agora".

    Eu tive a oportunidade de degustá-lo no recente II Encontro do Forum de Eno-gastronomia, do Mike Taylor. É muito bom!

    E o que é melhor ainda: esse vinho está à venda na Reloco por acessíveis 29 reais!

    Nova embalagem para vinho


    Mais uma notícia sobre embalagens não convencionais!

    Uma empresa inglesa, a Al Fresco Wines, acaba de lançar no mercado da Grã-Bretanha, o Tulipak, um vinho que já vem em taças! São três tipos de vinho: um Chardonnay, um Shiraz e um rosé também Shiraz, todos provenientes do Sul da Austrália.

    As taças são fechadas com uma tampa de alumínio, à exemplo dos nossos copinhos de água mineral, são de plástico inquebrável e - como o produto é inglês, não se poderia esperar outra coisa - biodegradáveis!

    A embalagem com duas taças está sendo vendida por cerca por 12 reais e, atualmente, está disponível em supermercados e eventos esportivos.

    Se já estivessem à venda no Brasil, seriam a embalagem ideal para a festa jovem que o Marcelo Copello está organizando na SBAV!

    Humor etílico VII

    15 de nov de 2007

    Sociedade da Mesa


    Há muitos e muitos anos atrás, eu era sócio do Círculo do Livro. Era um clube que, mensalmente, enviava livros para você. Nem lembro muito bem, mas acho que recebíamos um catálogo dos livros do mês e podíamos escolher os desejados. Era bem mais em conta do que nas livrarias!

    Pois a Sociedade da Mesa é um esquema similar, só que em relação a vinhos. É muito legal!

    Mensalmente, é oferecido o vinho do mês. Como associado, você pode escolher receber 4 ou 6 garrafas desse vinho. Você fica sabendo, com antecedência, qual a seleção do mês e, caso não interesse, você pode cancelar o recebimento. Não há, absolutamente, nenhuma obrigação ou mensalidade. Só se paga os vinhos que se escolhe receber!

    Aqui para o Rio de Janeiro, há um custo de frete adicional de 15 reais. Ainda assim, acho que vale a pena, pois os vinhos são vendidos a um preço bem abaixo do mercado. E alguns vinhos são inéditos no mercado brasileiro, importados diretamente pela Sociedade!

    São sempre vinhos que, no preço, giram em torno de 35 reais. Só como ilustração, vejam as últimas seleções:

    Condado de Almara: de Navarra, Espanha
    Tricyclo: um corte bordalês do Chile
    Bricollo: um Cabernet Sauvignon, da DO Grave del Friuli, Itália
    Bouza Trilogia: um corte de Tempranillo, Tannat e Merlot, do Uruguai
    Cavas de Perdriel: um Shiraz + Malbec, de Mendoza

    E por aí vai! Todos eles por 35 reais a garrafa! Eu ganhei de um amigo o Tricyclo e o Cavas de Perdriel. Ambos, excelentes! Por isso, decidi me associar!

    Se você também se interessar, o endereço é: www.sociedadedamesa.com.br

    EM TEMPO: quando um sócio indica um amigo para a Sociedade da Mesa, ele ganha duas taças de presente, caso o amigo se associar! Portanto, para que eu tenha direito a ganhar esse brinde, peço àqueles que forem se inscrever, que preencham na ficha que foram recomendados pelo EnoEventos. Obrigado!

    8 de nov de 2007

    10 melhores viagens de vinho do mundo

    O site Forbes Traveller escolheu as 10 melhores viagens de vinho do mundo. São roteiros de sonho para qualquer enófilo!

    Claro que essas recomendações não são para qualquer mortal, mas se você estiver com a carteira recheada, aproveite essas dicas. Se não estiver, apenas sonhe...

    Tunísia e Mediterrâneo

    Embarque no luxuoso iate a vela Sea Cloud, no qual 55 passageiros viagem em alto estilo de Malta para a Sicília, Tunísia e a ilha de Pantelleria. Os proprietários de um restaurante estrelado (pelo Michelin) na Provence são os anfitriões da viagem, que oferece cursos de culinária e degustação e apresentam os viajantes, de forma personalizada, a diversos enólogos.


    Priorato, Espanha

    A região de Priorato, localizada a duas horas de carro ao sul de Barcelona, estava praticamente abandonada até 2 décadas atrás devido ao inóspito terreno montanhosos e ao solo bastante pobre. Porém, Carles Pastrana e outros poucos enólogos criaram uma nova sensação no mundo dos vinhos, recuperando antigos vinhedos de Garnacha e Cariñena, instalando um sistema de irrigação e introduzindo novas variedades. Hoje, a produção de Pastrana, os vinhos Clos de l'Obac figuram regularmente na lista dos 150 melhores vinhos do mundo.

    Faça uma viagem de helicóptero à vinícola Costers del Siurana com o próprio Pastrana, partindo de Barcelona e aproveitando um refeição harmonizada de 6 etapas em meio aos vinhedos.


    África do Sul

    Inicie sua viagem em Johannesburg, hospedando-se no magnífico Hotel Michelangelo. A seguir, pegue um vôo para a Reserva Mala Mala, vizinha do Parque Nacional Kruger, hospedando-se no Londolozi. E pegue um trem para ir de Pretória à Cidade do Cabo no luxuoso trem Rovos.

    Usando a Cidade do Cabo como sua base, explore as regiões vinícolas em torno dela. Alugue um carro e parta para o encantador Vale Franschoek, onde poderá degustar vinhos com o enólogo Achim von Arnim em sua vinícola Haute Cabrière, que produz o melhor espumante do país, Pierre Jourdan.


    Nova Zelândia

    Esse país é o segredo vinícola mais bem guardado, mas atualmente está se espalhando tão rapidamente quanto os vinhos de kiwi (???). Inicie a viagem em Auckland e aproveite as vinícolas Goldwater Estate e Stonyridge, na ilha de Waiheke. Voe para a região de Hawke’s Bay para explorar a cultura Maori. Aproveite o dia e hospede-se no charmoso Mangapapa Lodge. Vá de carro até Martinborough, um oásis vinícola em Wairarapa, degustando os elegantes Pinot Noir das vinícolas Palliser e Ata Rangi.

    A seguir, vá para Blenheim, o centro da região vinícola de Marlborough, para provar os Sauvignon Blanc intensamente aromáticos e os bombásticos Rieling. Aproveite um degustação na mais famosa vinícola da Nova Zelândia, Cloudy Bay, e finalize a viagem em Queenstown, explorando o Parque Nacional Fiordland.


    Mendoza, Argentina

    Quando se fala em vinhos, a Argentina é normalmente ofuscada por seu vizinho mais famoso, o Chile. Apesar disso, o país é o quinto maior produtor mundial de vinhos, famoso por sua uva emblemática, a Malbec. E como menos de 6% de sua produção é exportada, é bem provável que você nunca tenha experimentado a maioria dos vinhos de Mendoza.

    Hospede-se no Park Hyatt, lindamente restaurado, com sua fachada colonial-espanhol do século XIX. A uma hora em direção ao sul, localiza-se o magnífico Valle de Uco, onde encontram-se os vinhedos mais altos da Argentina. Visita a O. Fournier, famosa por sua produção que utiliza apenas a força da gravidade e dê uma parada em Luján de Cuyo, considerada o berço do movimento vinícola moderno naquele país. Na Bodega Achaval Ferrer, deguste o Finca Altamira Malbec 2002 que ganhou 94 pontos da revista Wine Spectator.


    Alentejo, Portugal

    Ao sul de Portugal, estendendo-se do Atlântico à fronteira da Espanha, localiza-se a mágica e relativamente desconhecida região vinícola do Alentejo, onde enólogos pioneiros trabalham principalmente com uvas locais. Visite as florestas de cortiça e castelos mouros abandonados, entre um tour vinícola e outro. Em Évora, uma cidade pintada de branco e considerada pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade, hospede-se no Convento do Espinheiro, transformado em um hotel 5 estrelas com um fabuloso spa.

    Acrescente dois dias em Lisboa e faça também um cruzeiro pelo rio Douro (famoso pelos vinhos do Porto) em um barco particular, conhecido como rabelo.


    Napa e Sonoma, Estados Unidos

    Napa e Sonoma, é claro, têm algumas das mais melhores acomodações, paisagens, restaurantes e comidas artesanais do mundo, bem como grandes corporações industriais e pequenas vinícolas-boutique.

    Inicie sua viagem em Napa, onde você pode escolher dentre mais de 230 vinícolas, aquelas que atendam seu gosto e estilo. Hospede-se no espetacular Auberge du Soleil, contemplando os vinhedos do vale. Jante no famoso French Laundry, um dos restaurantes americanos que recebeu 5 estrelas do Guia Michelin. A seguir, siga para Sonoma, onde você poderá conhecer Davis Bynum, um pioneiro da Pinot Noir no vale do Russian River. O passeio inclui uma caminhada pelo jardim "permaculture" (???) e explicações sobre os processos orgânicos adotados pela vinícola.


    Piemonte, Itália

    Quando se ouve sobre "férias de vinho italianas", a maioria das pessoas logo pensa na Toscana. Genevieve McCarthy, da Cellar Tours, ao contrário, pensa no Piemonte, que produz os vinhos Barolo e Barbaresco, feitos com a uva Nebbiolo. "São vinhos untuosos, com cor profunda, que necessitam envelhecer uma eternidade", ela diz.

    Além de ser a menos turística das regiões italianas, os vinhos e a gastronomia do Piemonte são espetaculares. Planeje sua viagem para coincidir com a famosa colheita de trufas do outono. Visite Roagna, uma charmosa vinícola familiar, e dê uma parada na Vinícola Mossio, que produz um Dolcetto top, que oferece um contraste leve aos típicos vinhos encorpados da região. Hospede-se no Relais San Maurizio, lugar do famoso spa de vinho Caudalie, onde você pode se regalar com esfoliações com sementes de uva e banhos de vinho. Ou então, hospede-se no aconchegante e confortável La Villa, um hotel 4 estrelas em Monbaruzzo.


    Tokaj, Hungria

    Muito embora a Hungria seja afamada por seu vinho de sobremesa desde o século XVII, a produção de vinhos sofreu um duro golpe com a cortina de ferro. A indústria vinícola só foi privatizada em 1991, quando então atraiu muitos investimentos estrangeiros. Atualmente, a Hungria voltou a produzir vinhos de qualidade internacional.

    Inicie sua viage com alguns dias em Budapeste, uma das grandes cidades da Europa. Depois, vá para a região do Tokaj, onde você poderá explorar a famosa vinícola Chateau Megyer. Hospede-se no pitoresco Castelo Lillafüred, cercado por jardins suspensos e uma cachoeira. Na volta, dê uma parada na cidade de Eger, com uma arquitetura característica de influências turcas.


    Borgonha, França

    Aqueles que apreciam com seriedade o vinho, podem passar uma semana inesquecível na Borgonha, desenvolvendo capacidade de perceber as sutis diferenças entre um vinho de uma colina do outro da colina ao lado. Clive Coates, um renomado crítico de vinhos, coordena um curso de mestre, limitado a 10 participantes. Todos os dias, os passeios incluem visitas a prestigiosos "domaines", degustações orientadas e jantares íntimos com os enólogos.

    A 8.700 dólares por semana, a viagem é bastante personalizada e exclusiva. Só as degustações de alguns dos 200 Grand Crus e Première Crus e safras raras valem no mínimo 8.500 dólares.

    Rodízio de vinhos


    Eu almoço, 2 ou 3 vezes por semana, no Restaurante Graça da Vila, que fica perto do meu escritório. É um buffet a quilo com boa qualidade e variedade.

    Pois não é que agora o restaurante decidiu promover um Rodízio de Vinhos! Eu garanto que não tenho nada a ver com isso!

    Aos domingos e segundas-feiras, durante o mês de novembro, das 17 às 23 horas, você pode beber até cair por 39,90 reais! São cerca de 40 rótulos, servidos em sistema de rodízio!

    Mas não espere nenhum Amarone por lá! Conforme eu pude verificar durante um dos almoços, tem muito vinho nacional, Miolo e Salton, alguns argentinos de gosto duvidoso e alguns chilenos que não deixam dúvida nenhuma, como o Gato Negro!

    Bem, eu não fui e nem pretendo ir, mas aqueles que têm o fígado mais resistente podem se interessar pelo esquema. O restaurante fica na Rua do Catete, 133.

    7 de nov de 2007

    Comentários sobre o Barão do Sul Garrafeira


    José Luis Doldán, adido comercial do Consulado do Uruguai no Rio de Janeiro, foi um dos sorteados do EnoEventos, há alguns meses, ganhando um vinho Barão do Sul Garrafeira, oferecido pelo Ivan Barros, da Adega da Barra.

    Conforme havia prometido, ele me enviou hoje os comentários sobre o vinho que ganhou. E não só comentou o vinho, como também descreveu a harmonização, só para nos deixar com água na boca. Vejam só o que ele nos conta:

    Como tinha prometido, o Barão do Sul Garrafeira gentilmente cedido pela Adega da Barra e devidamente sorteado pelo site Enoeventos, ficou no aguardo de um bom pernilzinho de cordeiro assado no forno, para efetuar o "maridaje" como se diz na minha terra.

    A perna de cordeiro foi marinada no vinho tinto (como o cordeiro era uruguaio, o vinho foi Tannat, pra ele não achar estranho !!!) com abundante alho triturado e uma generosa porção de "adobo uruguaio". Ficou assimilando os temperos por uma noite e apesar de que há quem diga que isso endurece a carne... eu respondo, - deixa que eu a como!

    A "perninha" foi ao forno, no seu próprio marinado, cozinhando até reduzir o molho quase que completamente, virando-a algumas vezes para conseguir dar aquela cor e uma crosta "crocante".

    Sobre o Barão do Sul, servido junto a nossa "ovina iguaria" a uma temperatura de 17º, na Serra Teresopolitana, que nos brindava com uma temperatura bem amena, apresentou uma cor vermelho rubi bastante escura, com alguns reflexos violáceos. Aromas intensos de frutas vermelhas, muita ameixa, amora, confiture, algo de frutas maduras, aromas de torrefação como café torrado, baunilha, madeira, um frescor de alcaçuz....nariz complexo, intenso e persistente. Podemos defini-lo como um vinho bastante equilibrado, de bom corpo, com taninos bem presentes porém muito macios, indicando vida longa, com acidez e álcool bem equilibrados.

    Desta forma podemos dizer que é um belo vinho (que me perdoe o meu amigo Christóvão pelo plágio do Belovinho...) que combinou muito bem com a perna de cordeiro assada. Não posso deixar de dizer que o cordeiro foi "feito por Suzana" e que sem a sua companhia, a excelência do vinho e do cordeiro teriam perdido grande parte do seu brilho.

    Certamente haverá outros Barão do Sul Garrafeira na nossa mesa, depois de experimentar este, tanto a Suzana como eu, ficamos no aguardo do "Bis". Quem sabe o próximo vai com uma picanha na brasa e molho de "Chimichurri"??? (esse é comigo!).

    Agradeço mais uma vez a todos aqueles que me apresentaram ao Barão do Sul, que veio para ficar...

    ¡ Salud !

    José Luis Doldán

    Produtos para enófilos VII


    Quando sobra vinho em uma garrafa aberta, eu uso o Vacu-vin, aquela bombinha com vedadores de plástico, que quebra um galho e tanto. Mas para mim, o mais chato desse aparelho é que eu nunca sei quando parar de bombear.

    Então, para quem procura uma alternativa mais incrementada, para facilitar a vida e impressionar os amigos, existe o Wine Bottle Vacuum Seal!

    Ele funciona com 2 pilhas AA e automaticamente promove o bombeamento do ar até o ponto correto de vácuo. E ainda tem um termômetro digital (em °F e °C) que indica a temperatura do vinho. Nada mais hi-tech para suas reuniões!

    Esse produto está a venda na "The Sharper Image", aquela loja de inutilidades tecnológicas que existe em quase todos os shopping centers dos Estados Unidos e custa cerca de 40 dólares!

    6 de nov de 2007

    Humor etílico VI

    Segunda sem Lei


    Ontem à noite decidi conferir quais as ilegalidades que o Ivan Barros estava cometendo no novo Bistrô da Barra e participar do jantar "Segunda sem Lei".

    Bem, se servir um delicioso cardápio e harmonizar com maravilhosos vinhos é pecado, Ivan deve ser imediatamente condenado!

    O Bistrô da Barra arregimentou o talentoso chef André Luiz para comandar a cozinha e fez muito bem! Os pratos servidos eram, além de muito gostosos, montados com o capricho de um artista. Confiram só:


    Os pratos eram:
    - Endívias com sour cream e ovas de salmão
    - Mosaico marroquino
    - Surpresa na moranga (recheada com um delicioso bacalhau!)
    - Maravilha de maracujá

    E os vinhos!!! Iniciamos com um espumante argentino extra brut Margot, para harmonizar com as endívias!

    A seguir, o Mosaico e a Moranga foram acompanhados do indescritivelmente maravilhoso Lagares do Cerrado 2001, um Dão 100% Touriga Nacional, com 13% de álcool, em cobiçadas garrafas Magnun. Um vinho em seu apogeu, com aromas etéreos que, como bem avisou Ivan, só ele já valeria por todo o jantar!

    A sobremesa veio com o G. Butron Late Harvest 2005, um meio-a-meio de riesling e gewürztraminer.



    Como se fosse pouco, o cafezinho ainda veio acompanhado de um surpreendente BierLikör (licor de cerveja), acho que produzido no Paraná! Provado às cegas, ninguém chegou nem perto de adivinhar o que era, vistos seus aromas de nozes, café, cacau, amêndoas e otras cositas más que inebriavam a capacidade de discernimento!

    A noite ainda fechou com uma Bagaceira alentejana, da Adega Cooperativa de Borba, que eu passei!

    Parabéns ao jovem chef André Luiz, por seu talento! Ele realmente mereceu os aplausos com que foi agraciado ao final do agradável jantar do Ivan.

    Claro que quem conhece o Ivan vai reclamar que o agradável acima foi um pleonasmo!

    5 de nov de 2007

    Mapa das lojas de vinhos de Paris

    Essa é bem interessante para quem planeja viajar para Paris, grupo no qual, infelizmente, não estou incluído.


    É o mapa das melhores lojas de vinhos de Paris, segundo o blog Dr. Vino.

    As marcas vermelhas são as lojas favoritas do autor; as marcas grená são aquelas que são um misto de loja e de bar; as azuis são as demais lojas.

    A figura acima é estática, é claro, mas se você entrar na página do Dr. Vino, a coisa se torna muito mais interessante, podendo dar zoom, ver os endereços, descrições das lojas, qual estação de metrô, conforme o exemplo abaixo:


    Boas compras parisienses!

    Cartaz com os vinhos de Rioja

    Olhem só que belo cartaz que eu ganhei. Traz 281 rótulos de vinhos da DOCa Rioja!

    Vou pendurar em cima de minha adega...

    Clique para ampliar!

    Deu no New York Times!

    Eric Asimov é um dos críticos de vinho mais respeitados do mundo. Se não fosse assim, não seria ele o crítico do New York Times!

    Em uma recente matéria sobre vinhos do Douro, Eric faz um paralelo entre esses vinhos e os Portos. Segundo ele, os Douros nada mais são do que Portos sem a doçura. Os mesmos aromas de ameixa, especiarias, violetas e outras flores, com um pouco de alcaçuz e tostados.

    Dentre os vinhos elogiados, estão o Quinta do Vale D. Maria e o Quinta dos Quatro Ventos Reserva, facilmente encontráveis aqui.

    Por outro lado, ele meteu o malho no muito caro Quinta do Vale Meão, afirmando que a safra de 2004 é a antítese da safra de 2001, que ele próprio havia se desdobrado em elogios em avaliação anterior.

    Mas, para mim, a grande surpresa foram os elogios a um vinho que eu, você e toda a torcida do Flamengo conhecemos: o onipresente Porca de Murça Tinto, vinho baratinho, encontrável em muitos supermercados e em qualquer pé-sujo português.

    Segundo Eric, um surpreendente vinho de 6 dólares, modesto mas frutado e agradável (no original: astonishing $6 bottle, the 2005 Porca de Murça from Real Companhia Velha, a modest but juicy and enjoyable wine).

    E não se trata do Porca de Murça Reserva, não. Ele está falando do simpleszinho mesmo, que no Supermercado Princesa aqui perto de meu escritório, custa apenas R$18,90.

    Humor etílico V

    4 de nov de 2007

    A Embaixada de Rioja


    Este feriadão, aproveitando que estava em Nogueira, fui comprar um espumante na Importadora Cava de Vinhos (ex Importadora La Rioja), de meu amigo Jesus Ruiz Santamaria. A Cava de Vinhos fica na Estrada União-Indústria, 8.796. Para quem conhece a região, fica bem ao lado da Delegacia, pertinho da rotatória do Vale de Bonsucesso. Fácil, fácil de chegar!

    Bem que eu fiz! O Jesus se desdobrou em atenções!

    Sentamo-nos à mesa de degustação da aconchegante loja e fomos degustar um vinho que não conhecia, o surpreendente Martinez Lacuesta 2006, um DOCa Rioja. Feito de 100% Garnacha, vocês podem ver na foto ao lado que o vinho, embora chamado de rosé, seria muito melhor descrito se fosse qualificado como um "alaranjé"! Que cor magnífica! E que boca agradável, com muita fruta e bela acidez! Imediatamente, decidi trocar a Cava que procurava por esse vinho, visto que buscava um aperitivo para servir antes do churrasco que prepararia a seguir.

    Infelizmente, Jesus me disse que o vinho não estava à venda e que ele havia trazido apenas 6 exemplares da Espanha! Uma pena! Ficou aquele gostinho de quero mais!

    Mas o vinho que o anfitrião me ofereceu não desceu sozinho, não! Jesus serviu uns fundos de alcachofras espanholas regados com o excelente azeite Galilea. E, claro, um pãozinho para acompanhar!




    Dentro da loja, você se sente em Logroño! A gente fica cercado de Riojas por todos os lados! São Fautinos, Campillos, Martinez Lacuesta e tudo o mais que a Rioja pode nos oferecer de melhor! Bem, tem Ribera del Duero, Navarra, La Mancha também, mas o forte da importadora são os maravilhosos Rioja!


    E não dá para esquecer a mini-delicatessen espanhola! Assim como os fundos de alcachofra, Jesus também vende cogumelos, favas, grãos-de-bico, alhos, pimientos de pequillos, e outras cositas más, tudo da Espanha, é claro! E para aqueles com bala na agulha, os indescritíveis presuntos Pata Negra! Uma pena que a minha agulha está zerada!

    Foi uma bela manhã e eu recomendo a todos que subirem a serra a fazer uma visita ao Jesus. Ele é o próprio Embaixador da Rioja em Itaipava e trata a gente com a gentileza dos diplomatas! E se ele não estiver lá, as fiéis escudeiras, Rosângela e Juliana (foto abaixo), estão sempre a postos para nos dar a maior atenção!

    1 de nov de 2007

    Produtos para enófilos VI


    Quando a gente pensa que já viu tudo, eis que aparece outra coisa ainda mais surpreendente! Recebi de meu amigo Robert Phillips uma mensagem com esse inacreditável acessório:

    The Wine Clip!

    O Clip deve ser acoplado ao gargalo da garrafa de vinho no momento de serví-lo. Segundo o vendedor, usando magnetismo, ele quebra instantâneamente as moléculas de tanino do vinho, promovendo um envelhecimento imediato! E ainda segundo eles, não se trata de uma variação sutil que apenas os paladares mais abençoados podem perceber, mas sim de uma notável diferença.

    Dá para acreditar nisso?

    Em uma rápida pesquisa pela Internet, encontrei uma avaliação do produto, realizada de forma criteriosa, em que os resultados foram imperceptíveis!

    Era bom demais para ser verdade!

    Mas se ainda assim você quiser experimentar, entre no site do vendedor e peça o seu! Custa 129 reais!