31 de out de 2007

Chopp de vinho


Acaba de ser lançado no Brasil, por uma vinícola de Caxias do Sul, a Cooperativa Vitivinícola Forqueta, o chopp de vinho. Foi batizado de Autêntico.

A campanha de lançamento é bem elaborada, o site é muito caprichado e as embalagens são muito bonitas.

O problema parece ser o que está dentro...

O processo de fabricação é o mesmo de um vinho normal. A diferença é que, ao final, o produto é gaseificado artificialmente.

Foi produzido nas versões branco (uvas Moscato) e tinto (uvas Isabel e Bordeaux).

Para o consumidor final, o produto está disponível em latas e em long-neck. Para bares, o produto é distribuído em barris.

A graduação alcoólica é de 7% e o produto deve ser consumido bem gelado. Segundo o produtor, o chopp de vinho é bem suave! Isso até provoca arrepios!

Mas como eu não quero falar mal, sem antes conhecer, pedi ao distribuidor a relação de locais onde posso comprá-los para experimentar!

29 de out de 2007

Melhores Amarones



Acaba de ser publicada a relação dos melhores vinhos italianos de 2008, do respeitado guia Gambero Rosso.

Bem, eu não faço segredo de que minha preferência em vinhos são os maravilhosos Amarones. E como sei que não estou sozinho nessa preferência, aproveito para contar a todos quais os Amarones que receberam a cotação máxima de 3 bicchieri. Foram os seguintes (apresentando em vermelho o importador no Brasil):

- Amarone della Valpolicella Cl. Calcarole ’03 Guerrieri Rizzardi (Casa Flora)
- Amarone della Valpolicella ’01 Marion
- Amarone della Valpolicella Case Vecie ’03 Brigaldara (Enoteca Fasano)
- Amarone della Valpolicella Cl. ’03 Allegrini (Expand)
- Amarone della Valpolicella Cl. ’03 Lorenzo Begali
- Amarone della Valpolicella Cl. ’00 Cav. G. B. Bertani (Casa Flora)
- Amarone della Valpolicella Cl. ’98 Giuseppe Quintarelli (Expand)
- Amarone della Valpolicella Cl. Mazzano ’01 Masi (Mistral)

Mas é uma pena que esses vinhos sejam vendidos aqui a um preço proibitivo.

Só para exemplificar: eu comprei o Amarone Case Vecie da Brigaldara (2001) na Itália por apenas 16 euros (mais ou menos 43 reais). Na Enoteca Fasano, o preço é de 300 reais... Assim fica difícil!

Veramonte Chardonnay Reserva 2006


A edição de 15/nov da Wine Spectator indica, como Best Value o Veramonte Chardonnay Reserva 2006, descrevendo-o como:

Notas de pêssego, melão e cítricos, seguidos por um fim-de-boca limpo!

O vinho ganhou 87 pontos!

Em uma recente dica, baseada na análise do CheapWineRatings, eu já havia indicado esse vinho, que havia ganho 89 pontos naquele site!

Agora são duas instituições respeitáveis a indicá-lo! E esse vinho é fácil de achar: está à venda no Zona Sul por cerca de 30 reais!

Não dá para perder!

Vino Erectus


Não faltava mais nada!

Um italiano, Franco Ariani, criou uma nova técnica de viticultura em que os cachos de uva são treinados para crescerem apontando para cima! Veja só a foto!

De acordo com o criativo viti-vinicultor, as vantagens dessa técnica são, dentre outras, um amadurecimento precoce e cachos menos compactos, com melhor ventilação.

Além da bizarrice dos cachos, a técnica de vinificação também apresenta algumas excentricidades: o vinho será fermentado em uma antiga ânfora farmacêutica de 400 litros, com imediato engarrafamento. As garrafas serão, então, enterradas no solo por um ano!

Ele pretende lançar em 2010 a sua primeira safra do Vino Erectus, um corte à base de Sangiovese. Mas toda essa inventividade resultará em um alto preço a pagar. Quem quiser experimentar uma garrafa desse afrodisíaco vinho, deverá abrir mão de cerca de 2.700 dólares!

Você pagaria isso tudo?

(Fonte: Wine Spectator)

27 de out de 2007

Vinhos em Maceió


Maceió é um passeio imperdível! Belíssimas praias de areias claras, mar verdinho, águas transparentes na temperatura ideal, verão o ano todo, com uma constante brisa do mar (quase um vento constante) que alivia qualquer calor. Bons e ótimos restaurantes, bem acessíveis, muitos frutos do mar fresquinhos. Enfim, um paraíso!

No entanto, se você espera beber um bom vinho para acompanhar as lagostas, pode tirar o cavalo da chuva! O panorama para os enófilos é um deserto!

Em quase todos os restaurantes que fui, a carta era sofrível: apenas a trinca Miolo Seleção, Santa Helena e Concha y Toro Reservado. E só! Essa aridez inclui um dos melhores restaurantes de lá, o Irmãs Rocha, com uma comida maravilhosa e um ambiente rústico e ao mesmo tempo muito requintado que recomendo a todos.

A melhor carta que encontrei foi no muito bom restaurante italiano Massarella, cuja carta se encontra ao lado. Muita bobagem, mas pelo menos tem Viña Montes e Altos Las Hormigas. Para quem quiser se arriscar, tem até um Barolo e um Brunello! Julguem vocês mesmos! E ademais, quando se vai ao nordeste, não é um restaurante italiano que irá atrair os turistas.

Também não pense em comprar vinhos nos supermercados e levar para os restaurantes, pois a oferta também é muito limitada.

Conclusão: o melhor que você tem a fazer é relaxar e beber as caipirinhas de frutas nordestinas. São o que há de melhor!

15 de out de 2007

Carta de aromas de vinhos


O prestigiado blog Vinography disponibilizou uma carta de aromas bem completa e, o que é melhor, em português!

OK, o português é de Portugal e tem alguns aromas lá que eu não tenho idéia do que sejam. Mas, de qualquer forma, a carta é bem útil para nos lembrar de aromas que, de outra forma não lembraríamos ao degustar um vinho.

Você pode imprimir, dobrar e guardar em sua carteira para situações de emergência.

Clique aqui para baixá-lo!

Oscar Daudt

Produtos para Enófilos V


Em matéria de inutilidades, esta é imbatível! Um pára-quedas para rolhas de espumantes!

Acople o ChampiChute em sua garrafa, sacuda bastante e espere o efeito especial deslumbrar seus convidados!

O espumante pode até ficar sem a perlage, mas a gente perde a bebida, mas não perde a animação!

Uma boa dica de utilização é no reveillon de Copacabana. Seu pára-quedas vai ofuscar os fogos!

À venda no site inglês Hawking's Bazaar por cerca de 3 libras. E é reusável!

14 de out de 2007

SBAV - Castilla y León - Rubis Elegantes - Por Ahnis Fraga

Enfoque: as “Denominações” de Origem vinícolas de D.O Ribeira del Duero.

Tintos fantásticos!

Diria que a noite foi duplamente presenteada pelos incríveis Dominio de Atauta 2003 e o excepcional Bodega Azuaga Navarro 2001 Reserva, os dois da D.O. Ribeira del Duero. Dois belos rubis que brilharam!

Segundo Fernando Ortiz, esta região produz o melhor em pequenas quantidades. As condições climáticas – há uma variação térmica de mais de 30oC – bem como a altitude exigem das uvas e estas tornam-se o melhor, tudo concentrado em pequenas produções.

Vinhos estudados:

D.O Cigales
- Viña Concejo 2005 (100% Tempranillo) Viña Concejo

Vino de la Tierra de Castilla y León
- Mauro 2004 (Tempranillo, Syrah, garnacha) Bodegas y Viñedos Maurodos

D.O. Ribeura del Duero
- Atalayas de Golban 2004 (100% Tinto Fino) Atalayas de Golban
- Viña Sastre Crianza 2004 (100% Tempranillo) Hermanos Sastre
- Carmelo Rodero 2004 (90% Tempranillo, 10% Cabernet Savignon) Bodegas Rodero
- Fuentespina Reserva 2001 (100% Tempranillo) Avelino Vegas
- Dominio de Atauta 2003 (100% Tinto Fino) Bodegas Dominio de Atauta
- Arzuaga Reserva 2001 (Tinto Fino) Bodegas Arzuaga Navarro


Explicaria sobre cada um destes vinhos, pela noite agradabilissima que proporcionaram, mas o grand finale merece destaque.

Os dois últimos vinhos marcaram por muitos fatores. Detalhes técnicos à parte, as sensações tanto aromáticas como à boca destes vinhos surpreenderam.





Arzuaga Reserva 2001 definiria como potente, intenso, equilibrado, agradábilíssimo e sua textura agrada. Aromas sutis, mas marcantes. Parece que cada elemento complementa e não são simplesmente destacados, pontuados um a um. Como um bom perfume, os elementos se integram e proporcionam um aroma muito bom.





Elegância aromática e delicadeza à boca, expressam minhas sensações ao provar o Dominio de Atauta 2003. O melhor deste vinho, em minha opinião, suavidade em todos os aspectos sensoriais possíveis: aroma, sabor, textura e, aos olhos, envolvente.



Onde encontrar:
www.vincivinhos.com.br
www.dolivino.com.br
www.expand.com.br
www.grandcru.com.br
www.peninsula1.com.br

SBAV - Castilla y León - A "força" dos tintos da D.O. Toro - Por Ahnis Fraga

Enfoque: as “Denominações” de Origem vinícolas de D.O Toro e Vino de la Tierra de Castilla y León

Aos tintos!



Uma noite de 6 tintos bastante distintos aromaticamente, características visuais marcantes e, na boca, presentes e estruturados. Alguns mais interessantes no nariz do que na boca, mas o mais importante desta noite: perceber a “força” dos vinhos de D.O. Toro, diferenciar quando um vinho está com aromas de madeira e fruta harmonicamente integrados precisando apurar o olfato para captar cada elemento.

Vinhos estudados:

D.O Cigales
- Calderona Reserva 2001 (100% Tinto Fino) Bodegas Frutos Villar S.L.

D.O. Toro
- Finca Sobreño Crianza 2002 (100% Tinta de Toro) Sobreño S.A.
- Muruve Crianza 2003 (100% Tinta de Toro) Bodegas Frutos Villar S.L.
- San Roman 2003 (100% Tinta de Toro) Bodegas Y Viñedos Maurodos S.A.

Vino de la Tierra de Castilla y León
- Vegas 3 2004 (40% Tempranillo, 30% Cabernet e 30% Merlot) Avelino Vegas S.A
- Selección Especial 2001 (75% Tempranillo, 20% Cabernet e 5% Merlot) Abadía Reuerta S.A.

Iniciamos com Calderona Reserva 2001, um vinho ainda da D.O. Cigales. Um rubi intenso, aromas de madeira e frutas mais maduras tão harmonicamente integrados que pareciam um só. A madeira remetia baunilha e, após algum tempo ao copo, consegui perceber um pouco de chocolate não muito intenso. O nariz abria ao pouco de mentol deste vinho. Na boca, deixa a desejar. Falta estrutura, isto é, não “preenche” e mostra-se sem equilibrio. A acidez acentuada deste vinho deixa um certo amargor ao final. Mais interessante ao nariz que à boca.

Os 3 vinhos de D.O. Toro eram de um rubi intenso, forte. Uns brilhantes outros nem tanto, mas todos como sangue, bem escuro.

San Roman 2003 foi que mais me agradou dos de D.O. Toro pelos aromas florais intensos, a presença da madeira era mais potente, porém bastante elegante, nada agressiva ao nariz e trazia aromas de alecrim e balsâmico sutis. Na boca provocava sensação de boca seca pelos taninos ainda duros.

Elegeria o vinho da noite o Selección Especial 2001, pela suavidade ao passear pela boca, a sensação de refrescancia e o sabor intenso e persistente à boca. Seus aromas eram bem interessantes: especiarias, couro sutil, frutas negras e um tom lácteo que me lembrou muitissimo bala toffe (caramelo).

Onde encontrar:
www.vincivinhos.com.br
www.dolivino.com.br
www.expand.com.br
www.grandcru.com.brwww.peninsula1.com.br

13 de out de 2007

Dica: Dão Grão Vasco


O blog CheapWineRatings é especializado em avaliar vinhos de baixo custo. Em sua última postagem, foi analisado um vinho que é figurinha carimbada em nossos mercados e em qualquer restaurante português: o Dão Grão Vasco 2004 tinto!

Produzido pela Sogrape, é um corte de Touriga Nacional, Jaen, Alfrocheiro Preto e Tinta Pinheira, com um teor alcoólico de 13,5%.

A avaliação foi bem favorável: "Um vinho muito agradável. Aromas florais, de couro e com um delicioso tostado. Na boca, aveludado, com cereja e pimenta no paladar. Não é tremendamente complexo, mas tem uma surpreendente concentração para um vinho de 7 dólares." Recebeu extraordinários 89 pontos!

No site do Pão de Açucar está à venda, não por 7 dólares, é claro, mas por cerca de 27 reais.

Eu como não resisto a uma dica, vou comprar e experimentar logo, logo.

SBAV – Curso de Vinhos de Castilla y León – Espanha - Por Ahnis Fraga

08/10 - Primeira aula de vinhos de Castilla y León – Espanha.
Local : salão anexo ao Restaurante Real Astória em Botafogo, patrocinado pela Junta de Castilla y Leon, SBAV e Excal.
Instrutor: Fernando Ortiz (enólogo/sommelier)


Enfoque: as “Denominações” de Origem vinícolas da região.

Iniciamos com um passeio pelos brancos da D.O. Rueda e os rosados da D.O. Cigales.

D.O. Rueda é uma zona vinícola européia especializada em brancos, especialmente da uva Verdejo, que produz vinhos brancos extremamente aromáticos e saborosos.

Na D.O. Cigales, região que ainda conserva traços do passado em muitos de seus municipios devidos aos seus castelos como de Trigueros Del Valle entre tantos outros, pode-se encontrar vinhos rosados e claretes (elaborado a partir de uvas tintas e brancas) marcados pelas caracteristicas aromáticas típicas das uvas brancas e a cor mais marcante de uvas tintas como, por exemplo, Tempranillo. Vinhos visualmente atraentes. Aromas interessantes.

Fernando Ortiz mostrou, com enorme propriedade, como podemos extrair muitas informações da cor, dos aromas e, principalmente, saber o que esperar de vinhos e uvas de cada região.

Claro que não há uma regra, mas algumas características visuais, aromáticas e, especialmente, diferenciar como cada vinho se mostra na boca – sempre aliado à N outros fatores – revelam o vinho.


    A noite foi brindada pelo vinho Jose Pariente 2006, uma surpresa – não estava na lista dos vinhos que iríamos degustar – que me surpreendeu muitíssimo. Primeiro vinho branco com aromas mais complexos e diferentes que provei.

    Vinhos estudados:

  • D.O Rueda
  • - Vína Mocén 2005 (50% verdejo e 50% viura) Bodegas Antaño, S.A.
    - Maria de Molina 2006 (100% verdejo) Bodegas Frutos Villar S.L.
    - Bodegas Cerrosol 2005 (90% verdejo e 10% viura) Avelino Vegas S.A.
    - Jose Pariente 2006 (100% verdejo) Dos Vitorias





  • D.O. Cigales:
  • - Val de Los Frailes 2006 (95% Tempranillo e 5% Verdejo) Bodega Valdelosfrailes
    - Calderona Élite 2006 (100% Garnacha) Bodegas Frutos Villar S.L
    - Val de Los Frailes Vendima Seleccionada 2003 (100% Tempranillo) BodegaValdelosfrailes

    Nestes brancos percebi um novo tipo de acidez na boca, não a refrescante apenas, mas que proporciona, ao final, um certo amargor, nada desagradável. Vinhos que provocam calor ao final. Característica que dificilmente esperaria de um branco. Assim como percebi vinhos, principalmente de maior teor alcoolico – acima de 13,5o – extrema suavidade ao tocar a língua.

    Jose Pariente 2006 foi uma surpresa começando pela cor palha com tons esverdeados que mostram toda sua juventude, aromas bem tropicais como maracujá, lima, pera e um leve toque floral, mas é na boca que se revela: suave, seu sabor não explode na boca, mas aumenta pouco a pouco, intenso, permanece por algum tempo. Vinho um tanto elegante e intenso.


    Onde encontrar:
    http://www.dolivino.com.br/
    http://www.expand.com.br/
    http://www.worldwine.com.br/

    11 de out de 2007

    Produtos para Enófilos IV


    A enófila Mikka Wentz, de Vitória, colecionou por muito tempo os rótulos e rolhas dos vinhos que bebia (até parece eu...) e teve a idéia de aproveitá-los para criar bonitos objetos de desejo para os outros enófilos: bandejas, caixas para vinhos, painéis de recados, etc...

    São belas idéias para presentes, principalmente com a aproximação do Natal! Se você quiser encomendar alguma peça com Mikka, pode ligar para (27)3314-5165 ou contactá-la pelo endereço mikka.wentz@terra.com.br



    8 de out de 2007

    2ª Degustação Técnica do EnoEventos

    Em 03/10/2007, reuni mais um grupo de amigos para a realização da 2ª Degustação Técnica promovida pelo EnoEventos.


    Os degustadores estão na foto acima: Amauri Moreira, Ângela Santi, Teresa Jóia, Ana Valéria, Tarcísio Passos e, sentada, Kátia Miranda.

    Como na primeira degustação (se você não leu, clique aqui para acessá-la), começamos com a análise técnica dos vinhos da noite e, após, confraternizamos com vinhos e comidas levados por todos, em um ambiente de muita alegria e descontração.

    Os vinhos analisados foram:

    Malbec de France Le Plant du Roy
    Esse vinho foi gentilmente cedido por Brigitte Stida, representante da Compagnie de Vins de France (CVF) no Rio de Janeiro. A CVF é uma importadora especializada em vinhos de Cahors. Brigitte nos enviou o catálogo da importadora e eu posso afirmar, sem medo de cometer injustiças, que se trata do mais bonito catálogo de vinhos que eu já vi aqui no Brasil. Simplesmente maravilhoso!

    Mas de nada adiantaria um belo catálogo se os vinhos não tivessem a qualidade desse Malbec que degustamos. Quem está acostumado, como eu, com os Malbec argentinos, vai se surpreender! É outro vinho! Acho até que deveriam fazer uma análise no DNA das uvas argentinas para verificar se estamos falando da mesma casta!

    O vinho é de um vermelho-rubi quase cereja, com lágrimas bastante densas. No nariz, apresenta aromas de morango, ameixa, groselha, flores e baunilha. É de uma elegância inacreditável! Taninos aveludados, equilíbrio, frescor e longa persistência.

    Miolo Lote 43 2002
    Esse vinho foi-nos oferecido por Tarcísio Passos, que é um grande apreciador e incentivador de vinhos brasileiros. Por essas e outras é que somos amigos!

    O Lote 43, um dos grandes vinhos nacionais, é um corte de Cabernet Sauvignon e Merlot. Apresenta uma intensa cor rubi com reflexos granada. No nariz as notas de evolução estão bem presentes: baunilha, couro, madeira, frutas secas e até um kiwi! Na boca, taninos maduros, boa acidez e persistência.


    Bettú Corte Bordalês C 2000
    Esse vinho, Amauri Moreira ganhou do próprio enólogo Vilmar Bettú e colocou para jogo em nossa degustação. Abençoado seja Amauri que nos compartilhou esse vinho! Sabe-se que o corte é bordalês, mas não se tem mais detalhes.

    Um vinho delicioso, com aromas complexos, herbáceos, funghi, madeira, groselha, tabaco, chocolate (muito chocolate...) e nozes pecan. Na boca, muito equilibrado e taninos elegantes.

    Aproveitem o vídeo-clip da noite:

    7 de out de 2007

    Confraria dos Enônimos

    Nossa confraria, Os Enônimos, se reuniu ontem à noite para mais uma celebração ao bem beber, ao bem comer e a muita diversão.

    É claro que uma reunião com Beth, Antônio e César só poderia resultar em muito vinho espanhol de qualidade, mas como a Ana é portuguesa, o melhor vinho da noite foi o Paço do Conde. Mas eu não deixei por menos e levei um vinho que foi escolhido pela Decanter como um dos melhores 25 vinhos do mundo: o Tabali Shiraz Reserva 2005.

    Mas sem maiores delongas, vamos assistir ao vídeo-clip da noite, que fala muito melhor do que minhas palavras:



    Estava muito bom!

    Muito obrigado a todos, mas principalmente à Ana, que ralou muito para o sucesso do encontro!

    A Adega da Barra agora é bistrô!


    Ontem fui conhecer a nova Adega da Barra, de meus queridos amigos Ivan e Marilsa! Eles reformaram a antiga loja de vinhos, transformando-a em um agradável bistrô, onde esperam receber os clientes com aquela simpatia que só eles têm!

    O novo bistrô fica localizado no mesmo local onde ficava a antiga loja: Av das Américas, 7700, no Shopping Barra Mall. Para quem não conhece, esse é um pequeno shopping aberto que não cobra estacionamento! Ivan e Marilsa colocaram mesinhas dentro e fora da loja. No lado de fora, a gente se sente como se estivesse bebendo em uma cidadezinha do interior! Nas noites quentes do verão que se aproxima, a casa deve bombar!

    Fora os vinhos, o bistrô oferece queijos, fiambres e outras delícias e, em breve, eles começarão também a servir delícias quentinhas.

    Muito sucesso, meus amigos!

    6 de out de 2007

    Melhores vinhos da Revista Decanter - Chile


    Os prêmios da Revista Decanter são divididos nas seguintes categorias:

    - Troféu Internacional (apenas 25 vinhos)
    - Troféu Regional (79 vinhos)
    - Medalha de Ouro (114 vinhos)
    - Medalha de Prata
    - Medalha de Bronze
    - Comenda

    O Chile, particularmente, recebeu:

    - 2 Troféus Internacionais
    - 2 Troféus Regionais
    - 4 Medalhas de Ouro

    Os Troféus Internacionais já foram listados em postagem anterior.


    Os Troféus Regionais do Chile foram:

    - Emiliana Novas WS Chardonnay-Marsanne-Viognier 2006: os vinhos Emiliana são vendidos pelo Portal Vinhos DOC, mas esse vinho específicamente eu não encontrei por lá

    - Loma Larga Syrah 2005: esse vinho está a venda na Importadora Terramater e o preço é cerca de 150 reais (não lembro o valor exato)


    As 4 Medalhas de Ouro foram:

    - Concha y Toro Casillero del Diablo Carmenère 2006: esse é um vinho onipresente; eu o comprei na CADEG por míseros 23 reais

    - Cono Sur Ocio Pinot Noir 2005: é importado pela Vinhos do Mundo, mas não sei qual o preço

    - Matetic Vineyards Syrah EQ 2005: esse vinho é importado pela Casa do Porto, mas também não sei o preço

    - Valdivieso Syrah Reserve 2005: importado pela Importadora Bruck, custa 48 reais (39,80 reais na compra de 12 garrafas)

    Oscar Daudt

    5 de out de 2007

    Melhores Vinhos da Revista Decanter - Argentina


    Ontem, apresentei uma matéria sobre os 25 melhores vinhos do mundo conforme escolha da Revista Decanter. Além dessa grande premiação, a revista escolhe também os melhores vinhos por região.

    As medalhas de ouro obtidas pelos vinhos argentinos foram 4. Eis os grandes premiados:

    Andeluna Pasionado Grand Reserve 2003: de Mendoza; está a venda na Grand Cru por 190 reais;

    Bodega El Portillo Finca El Portillo Malbec 2006: não sei quem importa no Brasil

    Bodega Norton Cabernet Sauvignon Reserva 2004: quem importa a Bodega Norton é a Expand, mas não encontrei esse vinho no site

    Chakana Wines Estate Selection 2004: esse vinho é importado pela World Wine e custa 120 reais.

    2 de out de 2007

    Melhores Vinhos da Revista Decanter


    Recebi o último número da revista Decanter. É a edição especial "Os melhores vinhos do mundo de 2007". É um céu para quem gosta de avaliações e dicas, como eu!

    O prêmio máximo, que eles chamam de "International Trophy", foi conferido a 25 vinhos apenas, assim distribuídos:


    - França: 6
    - África do Sul e Austrália: 4 cada
    - Argentina, Chile, Nova Zelândia e Espanha: 2 cada
    - Alemanha, Itália e Portugal: 1 cada

    É claro que a Decanter sempre puxa a brasa para suas ex-colônias! Mas de qualquer forma, é uma opinião respeitável.

    Listo aqui os 4 sul-americanos laureados, porque são, teoricamente, mais fáceis de serem encontrados aqui no Brasil:

    - Cono Sur 20 Barrels Sauvignon Blanc 2006, Casablanca, Chile
    - Andeluna Cabernet Franc Limited Reserve 2003, Mendoza, Argentina
    - Tabalí Reserva Shiraz 2005, Coquimbo, Chile
    - Otra Vida Malbec 2006, Mendoza, Argentina

    Bem, o Tabali e o Andeluna são importados pela Grand Cru, mas não achei nenhum dos dois vinhos na página deles. O Cono Sur é importado pela Vinhos do Mundo, mas também não sei se eles têm o vinho premiado.

    Em 04/10: eu falei com a Grand Cru e eles têm o Tabali Reserva Shiraz, exatamente de 2005 e custa R$49,00. É um precinho bem camarada para um dos 25 melhores vinhos do mundo! Já comprei os meus...

    Sobre o Otra Vida Malbec eu não consegui encontrar nenhuma referência a ele aqui no Brasil.

    Amanhã eu vou analisar os troféus regionais da Decanter, começando pela Argentina.

    Oscar Daudt

    Beba mais e viva melhor!


    Essa é uma boa para quem está procurando uma desculpa para beber mais vinho!

    O cientista Roger Corder lançou um livro com a dieta do vinho tinto (The Red Wine Diet). Ela preconiza que beber 3 doses de vinho por dia previne as doenças cardíacas e a diabetes, entre outras.

    Isto não é exatamente uma novidade. O que há de novo é que o autor justifica os efeitos benéficos do vinho tinto, não ao resveratrol (conforme muito difundido ultimamente), mas a um flavonóide, a Proantocianidina, que seria o real motivo dos efeitos positivos para a saúde.

    O livro está a venda na amazon.com pela bagatela de 10,85 dólares.

    É quase nada, se comparado com o fato de que você vai poder aumentar sua dose diária de vinho com embasamento científico!

    Oscar Daudt

    1 de out de 2007

    Prática inaceitável no Milano DOC


    Domingo à noite, fui conhecer o wine bar do Milano DOC, em Ipanema.

    Trata-se de uma sala bem pequena, separada do restaurante, mas charmosa e aconchegante. A carta de vinhos é bem extensa e os preços estão na média. O sommelier Alexandre é atencioso e está terminando seu curso na ABS. O serviço é muito gentil, mas aí é que mora o perigo.

    Por duas vezes, sem que tenham sido solicitados, foram servidos petiscos, no que aparentemente parecia ser uma gentileza da casa: uma cestinha de pizza branca e outra de focaccia. Ao chegar a conta, vimos que a tal gentileza nada mais era do que uma "empurroterapia"!

    Essa é uma prática inaceitável, que atenta contra o Código de Defesa do Consumidor. E além de tudo, míope! Qual cliente, após uma situação como essa, gostaria de retornar à casa? Eu certamente que não!

    Oscar Daudt