20 de ago de 2008

O Inacreditável Vexame da Wine Spectator

Eu sempre achei estranha a lista dos melhores restaurantes para enófilos, organizada pela prestigiada revista Wine Spectator.

Na edição de 2007, por exemplo, os restaurantes brasileiros indicados limitavam-se a diversas churrascarias paulistas e, no Rio, apenas o Laguiole. Estlanho, não, Charlie Chan?

Pois agora, os rígidos critérios de seleção da revista vieram a tona! O escritor e crítico Robin Goldstein passou da fase da curiosidade para a ação e criou um restaurante fictício, a Osteria L’Intrepido, e enviou à Wine Spectator o cardápio, a carta de vinhos e pagou a taxa de 250 dólares.

Isso foi o suficiente para que seu inexistente restaurante de Milão fosse agraciado com o Wine Spectator Award of Excellence!

Mas o mais impressionante e o que serviu para detonar de vez os critérios utilizados pela revista é que a falsa carta de vinhos foi montada com os rótulos italianos que, ao longo de 20 anos, obtiveram as piores avaliações sabem de quem? Isso mesmo, da Wine Spectator!

Eis a carta de vinhos submetida com as avaliações que os vinhos receberam:

I rossi italiani “riserva” della nostra cantina

AMARONE CLASSICO 1998 (Veneto) Tedeschi 80,00 €
Wine Spectator rating: 65 points. “…Not clean. Stale black licorice…”

AMARONE CLASSICO “LA FABRISERIA” 1998 (Veneto) Tedeschi 185,00 €
Wine Spectator rating: 60 points. “…Unacceptable. Sweet and cloying. Smells like bug spray…”

AMARONE CLASSICO “GIOÉ” 1993 S. Sofia 110,00 €
Wine Spectator rating: 69 points. “…Just too much paint thinner and nail varnish character…”

BARBARESCO ASIJ 1985 (Piemonte) Ceretto 135,00 €
Wine Spectator rating: 64 points. “…Earthy, swampy, gamy, harsh and tannic…”

BAROLO 1990 (Piemonte) Az. Agr. GD Vajra 140,00 €
Wine Spectator rating: 64 points. “…Earthy, musty, lacking in charm…”

BAROLO RISERVA 1982 (Piemonte) Bruno Giacosa 250,00 €
Wine Spectator rating: 72 points. “…Agressive [sic] tannins that are sharp and harsh…”

BAROLO “ZONCHERA” 1994 (Piemonte) Ceretto 120,00 €
Wine Spectator rating: 74 points. “Quite disjointed…a coarse, chewy texture and an astringent finish. Hard to tell if it will ever come around…”

BRUNELLO DI MONTALCINO RISERVA 1996 (Toscana) Gianfranco Soldera 235,00 €
Wine Spectator rating: 74 points. “…Turpentine. Medium-bodied, with hard, acidic character. Disappointing…”

BRUNELLO DI MONTALCINO “LA CASA” 1982 (Toscana) Tenuta Caparzo 200,00 €
Wine Spectator rating: 67 points. “…Smells barnyardy and tastes decayed. Not what you’d hope for…”

BRUNELLO DI MONTALCINO 1993 (Toscana) Tenuta Caparzo 180,00 €
Wine Spectator rating: 80 points. “…A bit lacking in concentration, but with pretty, round tannins and a soft finish…”

BRUNELLO DI MONTALCINO RISERVA 1995 (Toscana) Tenuta Caparzo 135,00 €
Wine Spectator rating: 81 points. “…The palate is light-bodied with a slightly diluted finish. Light for the vintage. Rather disappointing for this producer…”

CABERNET SAUVIGNON “I FOSSARETTI” 1995 (Piemonte) Poderi Bertelli 120,00 €
Wine Spectator rating: 58 points. “Something wrong here. Of four samples provided, two were dark in color, but tasted metallic and odd…”

SASSICAIA 1976 (Toscana) Tenuta San Guido 250,00 €
Wine Spectator rating: 65 points. “…Even Sassicaia could not apparently escape the wet weather of this memorably bad vintage in Tuscany. It lacks harmony, having oxidized…”

SASSICAIA 1980 (Toscana) Tenuta San Guido 280,00 €
Wine Spectator rating: 77 points. “…Light, watery and diluted vanilla and milk chocolate character…”

SASSICAIA 1995 (Toscana) Tenuta San Guido 300,00 €
Wine Spectator rating: 90 points. “…Rich in currant, blackberry, dried herbs and tanned leather…”

10 comentários:

Guilherme Lopes Mair disse...

Pois é, Oscar...

Por essas e outras, não dou bola para as pontuações.

Se a WS está desse jeito, imagine o resto.

Aliás, torço para que nunca dêem boas notas aos vinhos que bebo ou, de preferência, não os avaliem. É só vir uma nota boa e pronto! Dobra ou triplica o preço!

André Paranhos disse...

huahuahuahua hilário e lamentável ao mesmo tempo !

Roberto Horta disse...

Sempre tive duvidas em relação não só a classificação de restaurantes, como também a classificação de vinhos impostas não só por essa revistas como por todos que classificam estes segmento.
Não acredito na unificação de gostos e paladares na mundo.
Cada cultura tem seus prazeres.
Abraços. Roberto Horta

Anônimo disse...

Caro Oscar,

Uma vez mais nós consumidores, ficamos agradecidos pelo seu empenho na "verdade".

Esse "modus operandis", pode ter alguma influência na estrutura editorial da classificação de vinhos também !

Aquele abraço
Joaquim Tavares

Claudia Holanda disse...

Espetcular, Oscar. Essa matéria prova ,de uma vez por todas, que quem manda são as leis do mercado. Pagou, passou.

Anônimo disse...

Oscar, sem comentários. Mais uma vez parabens pelo importante serviço que voce presta a todos nós pobres tomadores de vinhos e que muitas vezes somos ludubriados. É um mundo de picaretagens explícitas.

Silvia Cintra Franco disse...

Estive recentemente na Toscana e me hospedei em Montalcino, no mesmo hotel que o pessoal da WS esteve para fazer a matéria sobre os melhores vinhos da região. Visitei o Castelo di Montepuó de Biondi-Santi de excelentes vinhos que foram solenemente ignorados pela WS.Foi a partir daí que passei a desconfiar deles.

rosa maria martins moraes disse...

Ola, sempre visito seu blog buscando informações sobre vinhos e harmonização,sou apaixonada neste assunto, por isto coloco o seu blog no meu favorito, pois tenho um blog que busca este tipo de assunto(vinho/comida/harmonização) dê uma olhada se gostar pode adicionar no seu blog, obrigada.
http://sabordaservas.blogspot.com/

Sergio Gouveia disse...

É a mesma coisa aqui na "Pindorama". Uma certa "Revista Veja" resolveu "eleger" os melhores disso e daquilo.
Pura picaretagem. Quem paga a tarifa exigida é "eleito" o melhor...
Existem botecos aqui na ilha que são classificados como os melhores vezes e vezes consecutivas. Quando você vai conferir é uma porcaria só...
Abs.

Anônimo disse...

Impressionante e gravíssimo!
É caso de divulgação maciça, o que farei por onde puder. A revista se manifestou sobre o fato?
Um abraço.
André