9 de mai de 2008

Apoio ao vinho nacional


A vitivinicultura brasileira será protegida contra a concorrência dos vinhos finos estrangeiros que aportam no país, foi a promessa do ministro Miguel Jorge nesta quinta (08) aos representantes de toda a cadeia produtiva do vinho, liderados pelos deputados Henrique Fontana e Pepe Vargas.

Entre as prováveis ações do governo está o aumento do valor mínimo de US$ 8,00 cobrados por caixa de 12 garrafas, além da elevação da TEC do Mercosul, de 27% para 35%. O Brasil vai sentar-se à mesa com a Argentina e o Chile para rediscutir e aumentar o valor.

Hoje, 74% dos vinhos finos consumidos no Brasil são estrangeiros, 20% argentinos, 24% chilenos e 30% outros, e só 26% do vinho é nacional.

(notícia veiculada na página de Affonso Ritter - www.affonsoritter.com.br)

6 comentários:

Anônimo disse...

Ou seja: ao invés de diminuir impostos sobre os vinhos brasileiros, geralmente caros e sem a mesma qualidade aos similares argentinos e chilenos, irão aumentar os impostos dos estrangeiros. É por essas coisas que vinho, aqui no Brasil, é coisa de quem tem dinheiro, muito diferente da Argentina ou Chile, por exemplo.

Helô disse...

oscar, eu me considero uma militante dos vinhos gaúchos, mas tenho que concordar com o anônimo. no meu caso, com orçamento para vinho calculado na ponta do lápis, significa que vou beber - e aprender - menos. triste, muito triste.
forte abraço

Claudio disse...

Infelizmente nossos vinhos, fora os espumantes Gauchos e alguns tintos e brancos Catarinenses, são muito ruins!!! Sou contra o aumento de impostos, mas favoravel ao investimento em pesquisas.

Oscar Daudt disse...

Cláudio, bem menos...

É claro que temos muita coisa ruim. Mas existem excepcionais vinhos brasileiros no mercado (não apenas de Santa Catarina) que valem a pena serem bebidos. Ou, pelo menos, experimentar.

Apenas precisamos de preços mais atraentes e de combater essa mentalidade colonizada do público consumidor.

Um abraço.

Anônimo disse...

Oscar Daudt, bem menos por favor mas dizer que existem "excepcionais" vinhos brasileiros, é no minimo um exageiro, quando muito, temos alguns "bons vinhos", nada além disso.
Mas quanto ao assunto em si, lamentável esta atitude, sempre foi mais fácil aumentar impostos p/ proteger a industria nacional, muitas vezes incompetentes em produtividade e tecnologia, do que incentivar investimentos. Foi assim com outros segmentos da industria.
O que deveria se colocar em discussão, é a razão, o porque, que vinhos fabricados a milhares de kilometros daqui e com qualidade infinitamente superior aos nossos, custam mais baratos que os péssimos vinhos gauchos e catarinenses.
Defendo e sempre defenderei a industria nacional mas, desde que tenham ou que invistam em tecnologia para concorrencia, sou contra qualquer controle de mercado, se fosse assim, hoje todos nós estariamos guiando um Gurgel pelas ruas ao invés de um HOnda, BMW, Toyota, Renault, Ford, etc...etc...

Ricardo

Anônimo disse...

Sem comentários!!!!!!!!!!!
A meu ver é o melhor juízo a fazer após tantos.